terça-feira, 30 de agosto de 2011

Lutar para não ficar em lugares públicos isolados


Vice-presidente da Frente em Defesa da Pessoa com Deficiência na Câmara, o deputado Romário (PSB-RJ) cobrou do Consórcio Arena Salvador, com quem esteve reunido na tarde desta segunda-feira (29), um projeto que leve em conta as necessidades dos deficientes físicos. Para o tetracampeão, que é pai de uma menina com necessidades especiais, é necessário que haja a possibilidade de todos usufruírem plenamente da praça esportiva. "Defendo que o deficiente possa ver o jogo de onde ele quer e não somente em uma área isolada. Tem que ter acesso para todos os espaços. Dentro do campo, do vestiário, na arquibancada", afirmou. Romário disse ter entregado aos membros do consórcio um documento elaborado pela Fifa com as recomendações de acessibilidade para os novos estádios.

Eu Nunca concordei com essa gratuidade em lugares publico com "ACESSO" em que ficamos isolados, o mas legal é quando você sai com seus amigos e todos possam ficar juntos.
Uma vez fui passar o feriado de Carnaval num retiro católico (comunidade canção nova),cheguei por volta das 20:30hrs todos naquela euforia por estar num lugar tão lindo,procurando um lugar para colocar nossas barracas tínhamos combinado que todos fossem ficar juntos,colocando uma barraca ao lado da outra (vizinhos de barracas),começamos a montar,mais onde tudo parecia animado foi começando a ficar desagradável chegando o responsável do local dizendo que não podia montar a barraca ali porque não era vaga pra deficiente, e que eu tinha que sair dali e com um acompanhante para outro local mas isolado (vaga para deficiente),não sei se Deus me fez passar esse retiro (eu acredito que sim) mais depois de longas discussões fui conversar com o responsável e fui logo direto naquilo que eu sentia no momento:
_ o sr gostaria de estar num lugar longe e isolado dos seus amigos já que todos vieram juntos e gostaria de estar junto?
Depois de uns segundos de reflexão ele respondeu com lágrimas:
irmão me desculpe eu e a canção nova não estamos preparada para essa situação,são centenas de jovens que vem e vão e não me deparei com essa situação com você e te agradeço por estar me fazendo passar.
E nisso ele pegou um fita reservou o local para mim e os meu amigos e ficamos todos unidos como vizinhos de barracas.
E esse meus amigos leitores foi o primeiro dia,agora imagine os dois dias restante que fiquei?
Vale ressaltar que ficaram me procurando para saber como eu estava (sem necessidade).
Disso tudo a Canção Nova não é diferente dos demais locais mais tem toda a instrutura para deixa locais de acesso pra deficiente (sem colocar ele isolado),pois eu tive as mesmas dificuldades em qualquer lugar publico que vou.
Parabéns a Canção Nova por essa obra maravilhosa de evangelização mais tem suas falhas humanas que Deus vai corrigir com sua graça.
Ha! E ao deputado Romário pela bela iniciativa meus parabens!

E isso é só o começo!

Tecnologia em prol da acessibilidade e Ajuda Bem Vinda


Mais uma Garimpada nas paginas da Internet encontrei essa matéria do Correio Brazilience.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O DIREITO DE IR E VIR COM INDEPENDÊNCIA


Uma simples análise do crescimento das cidades nos mostra que geralmente o seu crescimento, no que diz respeito à arquitetura e ao urbanismo, não levou em consideração as necessidades de todos que dela fazem parte.

Prover a acessibilidade para todos é ainda um grande desafio que enfrentamos e este objetivo somente será atingido com a eliminação das barreiras arquitetônicas urbanísticas, da edificação, do transporte e da comunicação.

Assim, entende-se por cidade com acessibilidade para todos aquela que nas suas edificações, seu urbanismo, seu transporte e nos seus meios de comunicação, traz condições que permitam a qualquer pessoa a sua utilização com autonomia e segurança.

A cada dia surgem novas idéias e projetos de edificações que vão tecendo, dando forma e delimitando a cidade. Essas edificações são elementos e texturas formando um grande aglomerado de necessidades e facilidades criado pelo homem e para o homem.

Hoje as novas idéias e projetos que surgem devem seguir o conceito de acessibilidade para todos, pois uma cidade é de todos, feita por todos e deve servir a todos. Suas ruas, suas praças, seus parques e seus edifícios devem ser projetados para atender a todos e não somente uma parcela da população.

A sociedade da qual todos fazemos parte, da qual somos célula integrante, não deve resumir-se a elementos de inclusão ou exclusão. Nós todos somos a sociedade e as várias comunidades que a compõem são partes diferentes entre si, mas igualmente importantes e de expressão única.

Portanto a arquitetura desenvolve um papel importante na história, no processo de compreensão da sociedade como um todo único. Toda e qualquer idéia ou projeto deve ter um nascer respeitando o conceito de "acessibilidade para todos". Todo e qualquer cidadão - a pessoa idosa, a pessoa com deficiência, a gestante, o obeso, a criança - tem o livre direito de locomover-se pela cidade, usufruir dela, participar e cooperar no seu desenvolvimento.

A eliminação dessas barreiras e o entendimento de que novas barreiras não devem ser construídas passará a ser uma realidade para profissionais como arquitetos, engenheiros, urbanistas, pois devemos planejar, projetar e construir levando em consideração as limitações, capacidades e necessidades que as pessoas apresentam.

Assim, devemos entender de uma vez por todas que não são as pessoas que são portadoras de deficiência e sim as edificações, transportes, praças, as cidades em geral, que são planejados e projetados com conceitos ultrapassados, ineficientes para o uso do homem (eu, você, todos).

José Almeida Lopes Filho
arquiteto especialista em acessibilidade

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dificuldades Para Deficientes Físicos

A Deficiência do Urbanismo
(por Brad Pághanni)

A decisão do governo, foi que todos os prédios públicos facilitassem o acesso aos deficientes físicos. Caso a lei seja descumprida, a multa poderá chegar 10 mil reais por dia.
A dificuldade para os deficientes físicos - aumenta quando não se tem o apoio devido, em adaptações e bons planos urbanísticos e arquitetônicos.
Essa lei faz com que a deficiência do urbanismo reduza de uma forma considerável.
Paralelo a esta atitude, podemos encontrar diversas formas de ajuda para pessoas que têm deficiência física. Projetos sociais ajudam nessa luta.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Semana de Valorização da Pessoa com Deficiência



Entre os dias 20 e 27, a prefeitura de Resende realizará a Semana Municipal de Valorização da Pessoa com Deficiência, que tem por finalidade destacar a importância das iniciativas de acessibilidade e inclusão na sociedade deste segmento da população.

De acordo com a coordenadora do Cemae (Centro de Atendimento ao Educando), da Secretaria Municipal de Educação, Terezinha Saloto, a programação prevê palestras voltadas para profissionais da educação, mas abertas à comunidade, pais e responsáveis por alunos da rede municipal portadores de deficiência, além de atividades de esporte e lazer.

Um dos destaques da programação será a inauguração das obras e reforma da Escola Municipal de Educação Especial Rompendo o Silêncio (Alvorada), cujo nome passa a ser Escola Municipal Bilíngue Rompendo o Silêncio. A escola contará agora com o apoio do Cedear (Centro de Atendimento Auditivo de Resende), que, por meio de uma equipe multidisciplinar, oferecerá exame de audiometria, avaliação e atendimento fonoaudiológico e atendimento psicológico aos estudantes.

Entre as obras realizadas pela prefeitura na Escola Rompendo o Silêncio, estão a construção de uma quadra de esportes coberta, a adequação dos banheiros e de outros ambientes, além da readequação dos espaços físicos destinados à realização das atividades com os alunos. A inauguração acontecerá às 10h de sábado.

Segundo a secretária municipal de Educação, professora Soraia Balieiro, a Semana de Valorização da Pessoa com Deficiência visa estimular ainda mais o debate sobre a importância da inclusão social para as pessoas com deficiência, abrindo um espaço de contato direto com outros segmentos da sociedade, no sentido de ampliar as ações voltadas à promoção humana e à inclusão social.

A Semana Municipal de Valorização da Pessoa com Deficiência está sendo possível graças a uma ação integrada entre as seguintes secretarias municipais: Educação, Saúde e Assistência Social; a Funresp (Fundação Resende Esportes) e o Programa Gente Eficiente, que foi lançado há cerca de dois anos pela administração do prefeito José Rechuan (DEM).

Parabéns a Prefeitura de Resende pela iniciativa,que sirva de exemplo para a nossa Prefeitura de Nilópolis e as demais secretarias: esporte e lazer(se é que existe),secretaria de cultura.
Os Irmãos cadeirantes em geral agradece.

Rampas nas calçadas devem ficar rentes a rua


Repare nesse absurdo do acesso-deficiente.

Estou em residência nova. Mas no Condomínio onde vim morar, a acessebilidade é deficitária. No bloco onde vou morar não há rampa; na porta de acesso há dois degraus. Como ganhei o material para uma rampa metálica, não precisarei contar com uma possível feita pelo condomínio; nem esperar por isso.

Mas terei que reivindicar as rampas nas calçadas internas. As que existem, é um atentado a segurança de um cadeirante. Se chamam aquilo de rampas, deveriam ser punidos. Como não tenho câmera, vou pedir a quem tenha para fotografar e trarei para cá.

Nas calçadas externas ao condomínio, as rampas não morrem a zero. Algo que também terei que pedir por reparos. Ou que façam como a da foto. Um belo exemplo que fizeram aqui, nesse município. Eu trouxe a foto dessa reportagem.

E, por uma sobrinha Engenheira, trago que:

Do ponto de vista da Engenharia e da Ergonomia, as Normas Regulamentadoras da ABNT recomendam que rampas não excedam uma inclinação de 10º (porque esse é o valor a partir do qual deficientes físicos em cadeiras de roda se tornam incapazes de permanecer parados em uma rampa sem rolarem para baixo caso soltem as rodas).

Não observando restrições horizontais, o ideal, para termos uma rampa com 10 graus de inclinação, seria uma com um mínimo de 1,30m de comprimento.

fonte: Diário de bordo de uma cadeirante

EXEMPLO A SER SEGUIDO!




Serão investidos R$ 8 milhões em passeios e meios-fios

O Distrito Federal vai ganhar mais 100 mil metros quadrados de calçadas com acessibilidade nos próximos dias. Está publicado no Diário Oficial de ontem o aviso de licitação da Novacap para construção dos passeios, que serão implantados em vários pontos do DF, atendendo demandas das administrações.

Serão investidos R$ 8 milhões em calçadas e meios-fios com rampas para acesso dos portadores de necessidades especiais*. O novo processo é para calçadas em concreto polido com oito centímetros de espessura, garantindo durabilidade e beleza.

Segundo o secretário de Obras, Oto Silvério Guimarães, o objetivo é começar as obras assim que todos os prazos forem cumpridos. “Nossa intenção é atender, no menor tempo possível, a uma das grandes demandas da população que é a construção de calçadas com acessibilidade”, diz, acrescentando que outros 100 mil metros quadrados de calçadas já estão assegurados por outra licitação de 8 de agosto, totalizando 200 mil metros quadrados.

Além da concorrência para calçadas, foi publicado no DODF o aviso de licitação para contratação do serviço de roçagem. As empresas a serem contratadas serão as responsáveis pela manutenção da área verde de seis grandes regiões do DF, onde farão o corte de grama e roçagem do mato.






Fonte: Secretaria de obras (Brasilia).



texto: blog Deficiente Ciente



É assim que começa dando sempre os primeiros passos, que as autoriddes do nosso municipio de Nilópolis siga esse exemplo.

* Obs: A terminologia correta, segundo a Convenção da ONU e a Legislação Nacional do Brasil é Pessoa com Deficiência (Nota do blog Deficiente Ciente).



Essa tal Acessibilidade na Web





Garimpando nas paginas da Internet,encontrei essa matéria interessante.

A acessibilidade é um conceito que ganhou foco da web há pouco tempo, quando deficientes visuais começaram a ganhar processos judiciais contra empresas que tinham web sites sem uma versão que pudesse ser acessada por usuários com programas leitores de tela. Mas a acessibilidade não tange somente à deficiência visual: um site acessível deve ter sido construído preocupando-se sempre com o que ele vai exigir também de capacidade motora, recursos técnicos, largura de banda e capacidade auditiva. Vale lembrar que um site com uma abertura em Flash pesada, que não tenha a opção de pular esta abertura para exibir seu conteúdo, não poderá ser acessado corretamente por pessoas que utilizam conexão discada ou que não tenham o Flash Player instalado. Além disso, páginas que exigem que o usuário clique em pontos específicos da tela, arrastem elementos ou movam barras de rolagem estreitas exigem uma coordenação motora impossível para usuários com braços fraturados, problemas nervosos ou visão limitada.

O W3C, consórcio responsável pela criação e homologação de padrões para a Internet, apresenta um conjunto de 14 diretrizes a serem seguidas pelos desenvolvedores web para garantir que o site seja acessível por qualquer pessoa que esteja interessada nele. Estas diretrizes incluem regras com relação à exibição de vídeos, imagens, legendas, versões alternativas de conteúdo, e possibilitam a classificação dos sites considerados acessíveis em 3 níveis, conhecidos como “3 A’s”, dependendo do grau de necessidade das diretrizes que foram seguidas. O grau mais alto é o “AAA”. Esta lista de diretrizes pode ser acessada em sua versão original através do endereço http://www.w3.org/TR/WCAG/. A versão em português está disponível em http://www.geocities.com/claudiaad/acessibilidade_web.html. As diretrizes do W3C são as mais recomendadas por considerarem quase todos os tipos de limitações que os usuários podem encontrar, além de orientar sobre as alternativas que garantem a acessibilidade e fornecer um guia de validação para a produção HTML. E é somente seguindo estas diretrizes que um site pode ganhar o selo de acessibilidade.

A PRODAM (empresa de tecnologia da informação e comunicação do município de São Paulo) cita em seu site que, de acordo com o CENSO do IBGE de 2000, quase 25 milhões de brasileiros têm pelo menos uma deficiência. Além disso, existem diversas leis de universalização da informação e igualdade entre cidadãos que só podem ser seguidas se a sua página não faz com que cidadãos com deficiências sintam-se excluídos de sua audiência. Vale lembrar, também, que a acessibilidade amplia consideravelmente o público de um site, o que a transforma em uma decisão estratégica. A Europa é pioneira na popularização da acessibilidade e na produção de conteúdo sobre este tema. No site português http://visibilidade.net/ferramentas-bibliografia/ferramentas-acessibilidade.html podemos encontrar uma lista interessante com ferramentas para desenvolvimento e validação de páginas acessíveis.

Por exigir uma preocupação constante com a implementação de recursos que ainda não possuem um equivalente que respeite as deficiências dos usuários e de seus equipamentos, a acessibilidade é vista com maus olhos por alguns profissionais da criação. Esta é uma postura precipitada e egoísta, pois existem muitas soluções criativas que tornam o site atraente tanto para o usuário comum quanto para aquele com alguma necessidade especial, além de diversas alternativas simples para os recursos de mídia. Caso você ainda tenha alguma dúvida sobre que postura tomar com relação à acessibilidade, assista o vídeo Acessibilidade Web – Custo ou Benefício, disponível no endereço http://acessodigital.net/video.html. Certamente será mais fácil adotar este conceito após conhecer os exemplos de vida deste filme.





fonte: Webinsider
Autora: Daniella Castelucci

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Cadeirantes ainda encontram dificuldades para ir ao cinema




Bilheteria preferencial fechada, escadas para acessar o cinema, lugares reservados ao cadeirante muito próximo à tela. Estes são alguns exemplos que alguém com deficiência física pode encontrar quando vai ao cinema.


Exemplo disso estar na experiência propia,fui assistir na sala do KINOPLEX,estava indo tudo bem,elevador pra acesso,atendimento preferencial tudo as mil maravilha,mas chegando na sala para assistir o filme confortavelmente que decepção,cadê o acesso,nem rampa tinha e olha que eu estava acompanhado,quem estava comigo não conseguiu ver onde estava o acesso,pudera não tinha,sai da minha cadeira pois (PAGUEI MEIA ENTRADA),assisti o filme com a cabeça deitada (minha preferência é sempre a minha cadeira),estava tão próximo do telão que as cenas 3D não faziam efeito.


O resultado disso,foi uma noite agradável por estar com meus amigos e irmãos,cheguei a pensar que minhas dificuldades para assistir filmes em salas de cinemas sem precisar pesquisar onde tem acesso tinha acabado,foi no mínimo constrangedor,ver meus amigos revoltados por ter lugares para ele e para mim NÃO.


Eu Aprendi com um amigo meu que disse assim:


-faça valer seus direitos,tire foto mostre o que estar errado só assim conseguimos melhorar as dificuldades que são presentes que só eles não enxergam.


VAMOS FAZER VALER NOSSOS DIREITOS !


E isso é só o começo.