terça-feira, 23 de agosto de 2011

Rampas nas calçadas devem ficar rentes a rua


Repare nesse absurdo do acesso-deficiente.

Estou em residência nova. Mas no Condomínio onde vim morar, a acessebilidade é deficitária. No bloco onde vou morar não há rampa; na porta de acesso há dois degraus. Como ganhei o material para uma rampa metálica, não precisarei contar com uma possível feita pelo condomínio; nem esperar por isso.

Mas terei que reivindicar as rampas nas calçadas internas. As que existem, é um atentado a segurança de um cadeirante. Se chamam aquilo de rampas, deveriam ser punidos. Como não tenho câmera, vou pedir a quem tenha para fotografar e trarei para cá.

Nas calçadas externas ao condomínio, as rampas não morrem a zero. Algo que também terei que pedir por reparos. Ou que façam como a da foto. Um belo exemplo que fizeram aqui, nesse município. Eu trouxe a foto dessa reportagem.

E, por uma sobrinha Engenheira, trago que:

Do ponto de vista da Engenharia e da Ergonomia, as Normas Regulamentadoras da ABNT recomendam que rampas não excedam uma inclinação de 10º (porque esse é o valor a partir do qual deficientes físicos em cadeiras de roda se tornam incapazes de permanecer parados em uma rampa sem rolarem para baixo caso soltem as rodas).

Não observando restrições horizontais, o ideal, para termos uma rampa com 10 graus de inclinação, seria uma com um mínimo de 1,30m de comprimento.

fonte: Diário de bordo de uma cadeirante