sábado, 15 de outubro de 2011

A Igreja e Acessibilidade

Será que a Igreja está preparada para receber pessoas com necessidades especiais? A Igreja precisa estar a frente do seu tempo, estando apta tanto fisicamente com acessibilidade aos cadeirantes, quanto com Ministérios específicos para deficientes auditivos, visual e etc.

Precisamos parar e pensar no outro, você estão confortáveis, podendo entrar e sair livremente. Podendo tambem ouvir os cânticos, as mensagens; e nós deficientes? Você Jovem pode ser um motivador na sua Igreja, promovendo para os nossos irmãos portadores de necessidades especiais um ambiente sadio de comunhão e amor. Esses irmãos precisam participar de uma forma mais efetiva das celebrações e às vezes a falta da acessibilidade e da inclusão limita isso.
É horrível quando somos excluídos de algum grupo por algum motivo, assim eles sentem quando são excluídos ou expostos a constrangimentos. A Igreja precisa se contextualizar nesse aspecto, não podemos ignorar a presença desses irmãos.


Há católicos que não frequentam a nossa Igreja por simples razões: os cadeirantes informam que as suas cadeiras de rodas não passam pelos espaços garantidos à circulação. Os cegos reclamam que não conseguem ter o global entendimento dos fatos que acontecem na Missa. Os surdos e surdo-cegos também não têm como participar prazerosamente dos encontros nas Igrejas em geral. Até para os idosos têm reclamações quanto a mobilidade, audição e visão nas cerimônias. Hão, outrossim que igualmente ser computados como excluídos das cerimônias as pessoas com deficiência intelectual, idosos e disléxicos.
Algumas providências bem mais simples hão que ser tomadas, de modo a beneficiar o trânsito/acesso/circulação das pessoas com mobilidade reduzida, tais como os cadeirantes, usuários de bengalas, de muletas e outros meios de locomoção. Para tanto hão que ser redimensionados os espaçamentos entre os bancos, bem como deverão ser observadas se as rampas de acesso permitem a esse seguimento uma afluência confortável, sem constrangimentos/impedimentos.

Casa da Mãe Aparecida possui estrutura especial para atender portadores de deficiência.

Acessibilidade – Preocupado também com o acesso a cadeirantes, o Santuário Nacional vêm passando por uma readequação em sua estrutura.
Veja os principais destaques:
1- Os elevadores paravam no 13º andar e agora vão até o Mirante. Antes, os deficientes só conseguiam chegar até o local se auxiliado, pois era necessário subir 2 lances de escada;
2- As rampas Oeste e Leste, do lado externo da Basílica, foram executadas dentro dos limites permitidos para atendimento às pessoas com necessidades especiais;
3- Idem rampas de acesso ao Centro de Apoio ao Romeiro;
4- Foram modificadas as inclinações de 2 rampas internas de acesso ao sub-solo;
5- Os pisos das rampas são emborrachados e anti-derrapantes;
6- Existem vagas demarcadas no estacionamento para idosos e pessoas com necessidades especiais, um total de 58 vagas;
7- Foram construídas cabines dos novos banheiros com entradas independentes para acompanhantes de pessoas com necessidades especiais;
8- O Santuário disponibiliza cadeiras para pessoas com necessidades especiais, sendo um total de 35 cadeiras no estacionamento e 10 no Centro de Apoio ao Romeiro;
9- Os corrimãos das rampas também sofreram adaptações, apresentado agora em 2 alturas;
10- Os novos sanitários do Santuário foram executados para atender pessoas com necessidades especiais, sendo 4 na Tribuna Norte, 4 no sub-solo Oeste , 4 no sub-solo NE, 10 no Centro de Apoio ao Romeiro, 10 no Centro de Eventos, 2 no Ponto de Encontro, e 4 nas Confissões, totalizando 38 novas instalações.
A minha paroquia N.S Aparecida de Nilópolis onde participo ela estar 30% com acesso a nós deficientes,precisa melhorar em alguns setores, e graças a Deus com muita fé e perceverança o espaço vem sendo criado,é uma caminhada árdua porem com Deus o caminho da vitoria é certo e nossos irmãos cadeirantes estarão 100% na nossa igreja. 
lembro-me muito bem da campanha da fraternidade de 2006:
 "Levanta-te, vem para o meio"! É frase de Jesus, dirigida ao homem com a mão atrofiada.



Representa o convite feito a todas as pessoas com deficiência para que se sintam acolhidas e valorizadas.

O lema traduz também as ações positivas propostas pela Campanha da Fraternidade de 2006 para a inclusão fraterna desses irmãos e irmãs. Essa atitude fraterna é indicada, no cartaz, pelo gesto de acolhida e pelo sorriso dos dois jovens O fundo azul transmite calma e tranquilidade. Lembra que Deus está presente.
A imagem é um apelo forte para que deixemos a condição de espectadores e nos envolvamos com ações que resgatem a dignidade das pessoas com deficiência!
O passo foi dado lá atrás em 2006 temos que só dar continuidade,unidos na mesma fé com nossos irmão cadeirantes.
‘Acolher bem também é evangelizar’