sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Hoje é dia do TELETON!


Resolvi editar essa matéria porque hoje da inicio ao TELETON dia de ficar na telinha assistindo muitas lições de vida na igualdade da tão sonhada acessibilidade o direito de ir e vim. É muito importante que façamos nossa parte eu já fiz a minha e você? Faça sua parte ligue e ajude a milhões de pessoas de necessidades especiais. Ser deficiente é ser eficiente!

Neste dia, a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) alerta sobre a necessidade de prevenir doenças e acidentes causadores de paraplegia e tetraplegia e ressalta a importância da inclusão social.
A 17ª edição do Teleton será realizada nos dias 23 e 24 de outubro de 2015. Mais uma vez a AACD contará com a parceria do SBT, responsável pela geração e transmissão do evento para todo o país, durante mais de 24 horas, ao vivo.
Você pode doar para o Teleton a qualquer momento. Com a sua contribuição, a instituição poderá manter os atendimentos que já realiza e atender mais de 32 mil pacientes que estão na fila de espera
AACD Nova Iguaçu- RJ.

A sétima unidade da AACD chegou ao estado do Rio de Janeiro em 28 de setembro de 2004. Instalada em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, conta com médicos, terapeutas e fisioterapeutas aptos a tratar e promover a reabilitação e inclusão social de crianças, adolescentes e adultos deficientes físicos da região. A construção desta unidade foi possível graças aos recursos arrecadados no Teleton 2003. Atualmente realiza 198 atendimentos por dia e conta com um quadro de 67 funcionários. Quando atingir sua capacidade plena, a unidade estará apta a executar 650 atendimentos por dia.

Curiosidade:

Criado em 1966 nos Estados Unidos pelo ator Jerry Lewis, que teve um filho deficiente físico, o Teleton é realizado em mais de 20 países da Europa, América do Norte e América do Sul, anualmente. A América Latina possui uma organização dos países que realizam o Teleton, a Organização Internacional dos Teletons (Oritel). O objetivo da Oritel é favorecer a troca de conhecimento entre os países e instituições, além de possibilitar uma melhor integração entre aqueles que visam uma sociedade mais justa e produtiva para os deficientes físicos de todo o mundo.


O acesso dos deficientes à cidadania, à educação e ao mercado de trabalho, de forma a impedir que suas incapacidades encubram suas habilidades, é também uma questão de respeito ao ser humano. Afinal, somos todos diferentes, mas temos igual direito à dignidade.